Gerenciamento de processos no Linux: como fazer?

O gerenciamento de processos no Linux é uma tarefa bastante fácil. Em comparação com outros sistemas operacionais, ele se destaca por ser muito mais responsivo, ágil e produtivo durante a gestão de redes.

Porém, assim como qualquer nova atividade, podem surgir dúvidas ao se deparar ou procurar por novos comandos. Justamente por isso você deve estar atento e decorar as funções mais indispensáveis quando gerir processos da sua máquina.

Para mostrar como o gerenciamento de processos no Linux acontece a partir de poucos comandos, a Linux Solutions preparou este artigo e reuniu tudo o que você precisa saber!

Como fazer o gerenciamento de processos no Linux?

O gerenciamento de processos no Linux é bastante fácil e basta recorrer aos tantos comandos em um terminal. A partir disso, você localiza e monitora diferentes programas ou usuários em instantes.

Logo abaixo, você conhece os comandos mais úteis nesta missão de fazer a gestão de processos em distros Linux!

Para usar um exemplo fácil, este artigo só pode ser lido pois a informação aqui produzida está salva em grandes servidores externos e a sua internet está fazendo a ponte entre o conteúdo e o seu computador ou celular.

1. Top

Um dos comandos mais populares para monitorar e acompanhar processos no Linux é o top. Nele, você lista e verifica os processos ativos. Deste modo é possível ter uma ideia mais precisa do quanto de memória e processamento está sendo usada a partir dos programas ativos.

No comando, você encontra o PID de cada programa ativo e por isso pode finalizá-los em instantes através do comando kill.

2. Kill

Aproveitando a deixa, vale destacar o próprio comando kill, principal forma de interromper e finalizar um processo que consome recursos em excesso. Este comando é bastante autoexplicativo: ele serve para “matar” um programa ativo a partir do número do PID.

Ou seja, caso queira finalizar um processo, basta escrever “kill [inserir número PID]”. Pronto, o processo é interrompido até voltar a ser iniciado. Inclusive, vale destacar que você “mata” mais de um programa quando separa o PID com espaço.

Se por algum motivo desconhecido o programa não for finalizado, ainda é possível usar o “-9” para pôr fim no processo.

3. PS

O comando PS é muito útil para definir todos os processos ativos na sua distro. Porém, indo além da listagem de programas, o comando também mostra o PID do processo e por isso você consegue utilizar outros comandos, como o recém citado kill e o próprio grep, que busca padrões em um projeto ou no sistema em si.

4. Pstree

O comando Pstree é uma evolução do PS. Ao invés de listar, o Pstree cria uma árvore de processos, facilitando a apresentação e toda a relação de dependências durante o gerenciamento de processos no Linux.

5. Renice

Para encerrar esta lista sobre como gerenciar processos no Linux, vale mencionar o renice, que aponta a prioridade dos processos ativos, sendo 19 para pouco importante e -20 para muito importante.

Para usar este comando, você precisa ter o PID do processo e seguir o exemplo: renice [valor da nova prioridade] -p [PID]. Por exemplo, renice -10 -p 985.

Mas há um detalhe: toda a mudança de prioridade passa pelo root da rede.

Nuvem privada, Redução de gastos, Segurança da informação

selo_associada_assespro-rj

Copyright © 2000 - - Linux Solutions
Av. Presidente Vargas, 482 - Sala 326 - Centro Rio de Janeiro - RJ
(21) 2526-7262 - vendas@linuxsolutions.com.br

03.519.862/0001-13 - Linux Solutions Informatica

Agencia de Crescimento